quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Sobre estrelas - de Carina Freitas



(Sandra Cinto, "Sem título" - 2004, pigmento sobre chapa de mdf pintada, 65,8x159,5x0,8cm)


HOMEM – Daqui dá para ver o sol vermelho caindo sobre a cidade. Pena que quando ele se esconde, o céu se torne tão sombrio.

MULHER – Devia colocar uma grade de proteção. Uma criança pode cair desta altura. É perigoso, viu!

HOMEM – Eu sei, mas acho um pecado... Prefiro esta janela aberta.

MULHER – Você já viu a cozinha?

HOMEM – Não, não vi.

MULHER – Ah... sua esposa vai adorar! Se bem que para cozinhar só para mim acho grande demais.

HOMEM – Poderia colocar aqui uma poltrona confortável. Depois do jantar me sentaria um pouco e apreciaria o céu estrelado. Adoro as estrelas, sabe. Elas tem um brilho mágico.

MULHER – Deve dar para ver o playground e a churrasqueira desta janela...

HOMEM – Não.

(breve silêncio)

MULHER – Não vai ver os outros quartos?

HOMEM – Se eu pudesse, comprava esta janela para mim.



(A situação acima foi criada pela Carina Freitas. Trata-se de uma primeira versão, baseada em nossa apreciação da obra da artista Sandra Cinto, apresentada na postagem "Sem título" - obra de referência).
Outras versões serão escritas a partir de sugestões e análises feitas neste blog pelos colegas e outros interessados)

8 comentários:

  1. Carina, gosto daquilo que me parece ser um jogo de opostos.É quase um diálogo de surdos. E se se acirrar, pintar com tintas mais fortes o contraste, a contraposição entre os dois? Por acaso neste momento estou ouvindo "Comptine D'un Autre Été" do filme "O Fabuloso destino de Amélie Poulain", e relendo seu texto, parece que vejo este homem na janela...
    Sol

    ResponderExcluir
  2. o apartamento, que me remete a uma sensação de limitação, devido ao espaço físico, aqui está colocado, em alguns trechos, como algo que me deu a sensação de liberdade.

    ResponderExcluir
  3. cada um no seu mundo. o racional tentando falar com o emocional, sem conseguir estabelecer um vínculo. parece isso. dá pra continuar, ir pra muitos lugares com essa cena. isso é muito bom. estrelamento?

    ResponderExcluir
  4. Sobre estrelas...achei pertinente a colocação da Sol, e os coments da Carla. Dá pra ir muito longe, sem sair de perto.
    Um daqueles textos deleites.
    não tenho "e se..." só quero mais. Vou pensar um tantinho mais e se conseguir te trago algo, mas acho que o caminho já foi escolhido.
    beijokas, Lan

    ResponderExcluir
  5. Adriano Galego Geraldo11 de novembro de 2010 17:25

    Gosto muito desse estilo de escrita. Sinto no texto mais um conto do que um texto teatral. Acho que partir para o fantástico ou realismo fantástico seria interessante. Acho que ele deveria comprar essa janela!

    ResponderExcluir
  6. Dá vontade de sentar no sofá ao lado desse homem. Parece me que se o estado interno desses personagens fossem mais explorado nos aproximaríamos mais deles.E se ele não conseguisse cumprir suas tarefas práticas, ficasse no sonho ou memória ou na contemplação e ela se preocupasse só com a prática?

    ResponderExcluir
  7. Carina, gostei muito! Pra mim é simbólico e tão humano! Vejo um apartamento pequeno com uma janela enorme! Claro, eu também fico com a janela! Uma gaiola com a portinhola aberta que guarda um pássaro machucado que não pode voar! Um SE, você continuasse contando um pouco mais da história deste homem? rs.

    ResponderExcluir
  8. Os personagens estão bem delineados, a situação também.

    Compra e venda.
    O que sou capaz de fazer para conseguir vender ou comprar uma aparente impossibilidade?
    E se esta fosse a última chance dessa vendedora e o último desejo desse homem? Que acordo fazer para fechar negócio?

    Tenho a impressão de que funcionaria como metáfora pras nossas ambições e também pros nossos sonhos aparentemente impossíveis. Como conciliar?

    ResponderExcluir